Integração com Hardware de Recuperação de Disco Rígido

A indústria de TI tem uma crescente procura de equipamentos profissionais de recuperação de dados, capazes de recuperar discos que falharam, ou seja, unidades que não podem ser recuperadas através de software de recuperação de dados. Muitas destas unidades têm problemas de instabilidade na leitura do disco, inúmeros sectores defeituosos, estados não-responsivos ocasionais e tempos de processamento de comandos extremamente lentos. Estas drives podem ser recuperadas através de equipamentos profissionais de recuperação de dados de imagem, sem a necessidade de substituição de peças mecânicas ou electrónicas. Drives com estes problemas costumam fazer com que o software de sistema (BIOS/OS) pare de responder ou não reconheça sequer a unidade. Como o problema é ao nível de BIOS/OS, a sua solução requer um investimento em hardware dedicado.

R-Studio fornece agora capacidades de recuperação de disco ao nível do hardware das drives, baseado na sua integração com DeepSpar Disk Imager (DDI).

Esta integração permite o seguinte:

Vantagens para os utilizadores R-Studio Vantagens para os utilizadores DDI
Solução de baixo nível de hardware ignorando a BIOS do computador Maior amplitude de sistemas de ficheiros suportados e suas diferentes variantes
Desactivar cabeças de escrita/leitura específicas da drive Imagem baseada em ficheiro directamente de array RAID
Desactivar subsistema SMART, Realocar Sectores Danificados, e Leitura Look-Ahead Possibilidade extensiva de recuperar ficheiros raw
Tempo expirado de leitura de sector controlado por comandos de reset de Software/Hardware/PHY de drive. Algoritmos melhorados para recuperação de ficheiros de sistema
Análise ao nível de bits de dados corrompidos para filtrar o canal de ruído de escrita-leitura. Interface R-Studio de fácil utilização
Imagem multi-pass totalmente personalizável Funcionalidade de relatórios expandidos

O próximo passo a partir de recuperações de software tem sido sempre equipamento de recuperação de dados de imagem de disco. Porquê? Aqui está uma lista de processos de recuperação e ferramentas profissionais envolvidas no processo de recuperação de dados, ordenados pela relação de retorno-em-investimento (com base no tempo/custos/riscos iniciais e operacionais):

  • Sofware Lógico de Recuperação: Baixo custo inicial e conhecimento mínimo necessário porque o software automatiza a maioria das tarefas.
  • Imaging de Recuperação de Dados: Custo inicial moderado e pouco conhecimento necessário para executar operações de imaging de disco. Sem custos operacionais.
  • Troca de placa do disco rígido (mover também um chip de memória ROM externo a partir de uma placa com falhas a um doador): Sem custos iniciais, mas exigente a nível de tempo/custos/riscos operacionais e experiência de forma a encontrar um doador compatível.
  • Reparação de Firmware (Drive System Area & ROM): Investimento inicial de equipamentos e conhecimentos muito mais elevado em comparação com a imagem de disco.
  • Transplante de Cabeças/Platters: Muito exigente a nível de tempo, custo, riscos e experiência.

Esta nova integração permite que os nossos utilizadores possam adicionar facilmente capacidades de imagem de recuperação de dados aos seus processos. O resultado é o ambiente acessível do R-Studio, com os seus algoritmos avançados que perseguem os seus ficheiros com o poderoso hardware DeepSpar Disk Imager, que trabalha on-the-fly com instabilidades de drive.

O quadro DeepSpar Disk Imager PCIe deve ser instalado num computador de rede separada (o computador DDI) que tem ligadas as drives de origem e de clones. O computador DDI deve ser iniciado com o dispositivo de inicialização USB fornecido com a placa. R-Studio executado noutro computador (o computador R-Studio) acede ao disco através de uma Rede de Área Local. Assim, todas as operações de recuperação de dados são feitas através da seguinte configuração:

Esta integração permite que as imagens sejam executadas numa base de ficheiro por ficheiro, evitando a necessidade de criar imagem da unidade de origem antes de analisar e reparar a estrutura do sistema de ficheiros. Ou seja, sempre que R-Studio precisa de analisar um elemento específico do sistema de ficheiros, como o MBR, um sector de inicialização ou um registo MFT, sectores que pertencem a esses elementos estão a ser recuperados pela DDI da drive de origem, copiados para a unidade de clone e, de seguida, devolvidos ao R-Studio através da rede.

Os discos DDI aparecem no painel de Drives do R-Studio como objectos de disco normais e podem ser processados como tal. Por exemplo, podem ser incluídos como objectos RAID.

Para além disso, o R-Studio pode ler e processar imagens e mapas criados pelo hardware standalone DDI.

© Copyright 2000-2016 R-Tools Technology Inc.